terça-feira, 20 de abril de 2010

METODOLOGIA, METODOS E TÉCNICAS DE ENSINO

METODOLOGIA, METODOS E TÉCNICAS DE ENSINO

Waldeni Monteiro Fontes
Profª. MS. Ivanize Martins

RESUMO
Este trabalho tem como finalidade apresentar conteúdos de estudos realizados sobre o tema metodologia de ensino, métodos e técnicas, incluindo as tendências pedagógicas e paradigmas. Ainda objetiva apresentar ferramentas teóricas que estabeleçam pontos de referências com as quais os professores poderão melhorar sua prática de ensino na execução de suas tarefas.

Palavras chave: tendências pedagógicas, metodologia, estratégias de ensino.

1- INTRODUÇÃO

Após realizar este estudo, percebe-se que, a prática escolar consiste na concretização de condições que asseguram a realização do trabalho docente. Esta prática, figura diferentes concepções e pressupostos sobre o papel da escola, da aprendizagem, relações professor/aluno, e técnicas pedagógicas. Esclarece ainda que, as formas em que os professores desempenham sua função, selecionam e organizam os conteúdos a serem aplicados ou escolhem técnicas de ensino a fim de melhorar a aprendizagem dos alunos. Haja vista que, ainda há professores que continuam na velha rotina, não buscam melhorar suas práticas pedagógicas, não sendo este o aconselhamento ideal. Mas com o desenvolvimento atual e a busca do conhecimento faz-se necessário incluir no meio em que a realidade vem direcionando. Diante deste estudo realizado, pretende–se fazer algumas notificações sobre as tendências pedagógicas e suas metodologias.


2 – DESENVOLVIMENTO

2.1 – TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS

Para SOARES, tendências é toda e qualquer orientação de cunho filosófico e pedagógico que determina padrões e ações educativas, ainda que esteja desprovida de uma reflexão e de uma intencionalidade mais concreta, é na verdade uma inclinação por pensamento e comportamentos pedagógicos lidos na história da educação ou mesmo em outras práticas pedagógicas hodiernas. A classificação e descrição das tendências poderão funcionar como instrumento de análise para o professor avaliar suas práticas pedagógicas em sala de aula. As tendências pedagógicas foram classificadas em liberais e progressistas, e cada uma dessas concepções pedagógicas são vinculadas à diretrizes metodológicas para o desempenho do trabalho docente, segue a descrição de cada tendência com suas metologias.

A-PEDAGOGIA LIBERAL

- tradicional
- renovada progressivista ( escola nova)
- renovada não diretiva
- tecnicista

A pedagogia liberal estabeleceu uma forma de organização social baseada na propriedade privada dos meios de produção e tais tendências se manifestam nas práticas escolares e no ideário pedagógico de muitos professores. A mesma sustenta a idéia de que a escola tem por função preparar os indivíduos para o desempenho de papeis sociais de acordo com as aptidões individuais.

A pedagogia tradicional serviu de referência para métodos de ensino que reforçam particularmente a reprodução dos conhecimentos. Na tendência tradicional a pedagogia liberal se caracteriza por acentuar o ensino humanístico de cultura geral onde o aluno é educado para atingir pelo próprio esforço sua plena realização como pessoa, isto é, uma preparação intelectual e morados alunos para assumir seu papel na saciedade. Os conteúdos e procedimentos didáticos, a relação professor/aluno, não tem nenhuma relação com o cotidiano do aluno e nem com suas realidades sociais. Nesta tendência, predomina a palavra do professor. Esses conteúdos são conhecimentos e valores acumulados através dos tempos e repassados aos alunos como verdades absolutas. Os métodos de ensino são: exposição e demonstração verbal da matéria por meio de modelos. Na relação professor/aluno, o professor exige autoridade receptiva do aluno. A aprendizagem é receptiva e mecânica.

A pedagogia renovada (escola nova) propiciou o surgimento de métodos voltados para o interesse dos alunos e para um ensino ativo, enfatizando suas atividades no processo do ensino aprendizagem. A escola renovada nesta tendência acentua a educação como um processo interno e que parte das necessidades e interesses individuais e necessários para uma adaptação ao meio. Neste sentido é valorizada a experiência humana nesta realidade o aluno torna-se sujeito do conhecimento, portanto o ensino é centrado no aluno. A tendência liberal renovada apresenta duas versões distintas, mencionadas como:

Renovada progressivista ou pragmatista, com uma forma difundida pelos pioneiros da educação nova. A escola deve adequar às necessidades individuais ao meio social. Os conteúdos são estabelecidos a partir das experiências vividas pelos alunos frente as situações problemáticas. O método se realiza através de pesquisas e solução de problemas. O professor é auxiliador no desenvolvimento do aluno.

A renovada não-diretiva, sendo esta orientada para os objetivos de auto-realização, ou seja, desenvolvimento pessoal e relações interpessoal, isto implica em formação de atitudes. Os conteúdos se baseiam na busca dos conhecimentos pelos próprios alunos, cujo método facilita a aprendizagem. a relação professor/aluno é a educação centralizada no aluno e o professor garante um relacionamento de respeito e a aprendizagem tem por item modificar a percepção da realidade.

A pedagogia tecnicista enfatizou a mecanização dos processos de ensino embasada na teoria da aprendizagem, tendo como destaque a organização e a administração do trabalho pedagógico, e a divisão de tarefas no interior da escola. Por sinal esta tendência subordina a educação, tendo como função a preparação de recursos humanos como a mão de obra para a indústria. Nesta ocasião a sociedade industrial e tecnológica estabelece as metas sócias e políticas e assim a educação treina também cientificamente. Entende-se assim que o importante não é o conteúdo da realidade, mas as técnicas e as formas de descobertas e aplicações. A tecnologia se torna o meio mais eficiente para obter uma maior produção com garantia de um bom funcionamento da sociedade. Mesmo assim pode se afirmar que a educação é um recurso tecnológico por excelência, encarada como instrumento capaz de promover o desenvolvimento econômico com qualificação da mão-de-obra. Portanto o papel da escola é modelar o comportamento humano através de técnicas especificas e seus conteúdos são informações ordenadas com seqüência lógica e psicológica. Seus métodos possuem técnicas para transmissão e recepção de informações. O professor transmite informações e para o aluno fixá-las e a aprendizagem baseia-se no desempenho do aluno.


B – PEDAGOGIA PROGRESSISTA
- libertadora
- libertáia
- crítico-social dos conteúdos

A pedagogia progressista enfatiza aspectos sócio-políticos envolvendo a cultura popular, é quando o homem se constrói chegando a ser sujeito na medida em que se integra em seu contexto o conhecimento de sua historicidade, dando ênfase ao ato de conscientização. Segundo (LIBÂNEO, 1990, P. 35) o que é aprendido não decorre de uma imposição ou memorização, mas do nível crítico de conhecimento, ao qual se chega pelo processo de compreensão e reflexão crítica. A pedagogia progressista se manifesta em três tendências que são:

Tendência libertadora é mais conhecida como pedagogia de Paulo Freire, através dela vê-se a necessidade de uma educação para libertação dos oprimidos e de diversas contribuições metodológicas . Não é próprio desta pedagogia falar em ensino escolar, sendo sua marca a formação não-formal. Portanto a educação libertadora questiona a realidade das relações do homem com o meio em que vive, visando assim uma transformação social. Seus conteúdos de ensino são temas geradores extraídos da problematização, da prática de vida dos alunos se desenvolve em grupos de discussão, tendo uma relação professor/aluno é de igual para igual.

A tendência libertária espera que a escola exerça uma transformação na personalidade dos alunos num sentido libertário, instituindo, na forma de mecanismos institucionais de mudanças. Suas metodologias implicam em trabalhar em grupos informais, assembléias e associações, com um sentido estritamente político, dando um entendimento de que o individuo é um produto social e que somente se realiza no coletivo. Esta pedagogia é mais conhecida entre nós como Pedagogia Institucional, tendo certa resistência contra a burocracia. Nesta tendência o conteúdo de ensino são as experiências vividas pelo grupo, o mais importante é o conhecimento. O conhecimento são respostas atribuídas as necessidades e as exigências da vida social. O professor é o orientador, mas os alunos são livres.

A tendência pedagógica crítico-social dos conteúdos, atentou para a necessidade de valorizar os conteúdos na escola dando a todos, aquisição dos conhecimentos sistematizados, com um pressuposto de que o saber é um dos principais responsáveis pelas diferenças sociais. O papel da escola é a difusão de conteúdos, neste sentido sua atuação consiste na preparação do aluno para o mundo adulto e suas contradições, fornecendo-lhes um instrumento por meio da aquisição de conteúdos e da socialização, com participação organizada e ativa na democratização da sociedade. Seus conteúdos de ensino são temas culturais universais que se constituem em domínios de conhecimento autônomos incorporados pela humanidade, os mesmos são reavaliados face às realidades sociais, que se ligam as suas significações humanas. O método de ensino parte de uma relação direta da experiência do aluno confrontada com o saber sistematizado, e o aluno tem um papel participador, e o professor é mediador entre o saber e o aluno, e a aprendizagem se baseia nas estruturas cognitivas já estruturadas no aluno.


2.2 – PARADÍGMAS

Os paradigmas apresentam-se mais definidos enquanto orientadores de práticas educativas porque as apresentam como idéias e pressuposições bem delineadas, estudadas e teorizadas. Também pode se afirmar que paradigmas são, um conjunto de conceitos interrelacionados e que proporcionam referencias que permitem observar, determinado problema em suas características básicas e compreender, buscando possíveis soluções. Esse conjunto conceitual garante uma coerência interna em qualquer proposta na área da educação e articulação entre o que se faz e o que se pensa. Neste sentido o professor tem a opção de agir intencionalmente, podendo decidir entre as razões fazendo a escolha ou seleção das idéias, quais são mais importantes e quais deverão serem seguidas. Isto implica que, o professor precisa construir conhecimentos bem sólidos para fundamentar suas praticas pedagógicas.


2.3 – METODOLOGIA

Na busca realizada, o Aurélio nos mostra que metodologia se define como arte de dirigir o espírito na investigação da verdade, e também é o estudo dos métodos e especialmente dos métodos das ciências. Metodologia é realmente parte indissociável do ato da pedagogia,. Sua prática não se realiza sem a íntima relação com os componentes intelectuais, éticos e sociais, a metodologia é a alma do plano.
A metodologia de ensino parte de uma concepção de homem, de ser humano e de sujeito. Em sentido mais amplo, a metodologia expressa concepções pedagógicas, sociais, filosóficas, políticas e muitas outras linhas, a mesma abrange métodos, estratégias ou procedimentos de ensino, técnicas e seus recursos. Ainda pode-se afirmar que como categoria bastante ampla nessa abordagem, se inclui a aplicação da tecnologia educacional e estratégia de ensino,. PAIVA (1981, P. 11) afirma que a metodologia de ensino é entendida como um conjunto de regras e normas prescritivas visando a orientação do ensino e do estudo, ou mesmo um conjunto de normas metodológicas referente à aula, seja na ordem das questões, ou no rítimo do desenvolvimento, como no próprio processo de ensino. Segue abaixo um exemplo de metodologia eficiente para obter uma boa aprendizagem.

Metodologia da Problematização

É uma ótima opção para se trabalhar em grupos tanto de professores como de alunos, é justamente quando se trata de problemas em determinadas situações, esta mesma metodologia chega a envolver a pesquisa, pois para se solver um problema faz–se necessário haver pesquisa. Torna se uma estratégia de aprendizagem para diversas áreas de conhecimentos, e principalmente os inúmeros relacionados com a realidade social dos alunos. Em sua aplicação nos leva a mudarmos as rotinas de nossas aulas, objetivando uma melhor aprendizagem dos conteúdos. Esta metodologia se desenvolve através de cinco passos que são:

1- situações problemas: nesse momento o aluno é levado a observar a realidade, é apresentando os possíveis problemas a nível de sua compreensão;

2- hipótese de solução, antes da teorização; os alunos nesse momento, socializam as situações e expõem o que pensam dos problemas e em seguida expõem as possibilidades para solução, isto acontece antes da teorização;
3- teorização; nesse momento é quando ocorre a exposição da pesquisa teórica e da inicio a um novo seguimento com assuntos realmente teorizados e fundamentados;

4- hipótese de solução com argumentação fundamentada; agora é uma etapa diferente, os alunos já sabem da realidade e possuem uma fundamentação teórica, segura e sabem por onde seguir, podendo analisar as hipóteses levantadas no inicio, dando uma resposta correta aos problemas, pois houve uma busca;

5- compreensão, aplicação, reconstrução da realidade; nesse ultimo passo, os alunos poderão analisar a realidade com uma certeza não ´mais como antes, pois no inicio sabiam do problemas mas não tinham solução, mas agora, já conhecem melhor e entendem da situação e poderão indicar solução para tal situação

2.3 - MÉTODOS

Quanto ao método, pode se afirmar que são caminhos para atingir um objetivo. LIBÂNEO (1990) destaca que os métodos de ensino consistem nos procedimentos e técnicas necessárias que assegurem a transmissão/ recepção de informações. O método procura atender aos princípios da individualização, respeitando o rítimo próprio de cada aluno. Método é, portanto um modo de pensar e de agir sobre uma realidade, o mesmo possibilita diferentes formas de organização do trabalho escolar para se alcançar os objetivos do ensino e as finalidades da educação.




2.4 – ESTRATÉGIAS DE ENSINO-APRENDIZAGEM

Quanto a aprendizagem entende-se que é um processo, e a resultante do ato de aprender, e isto significa tomar conhecimento ou mesmo reter na memória, é quando o ser humano se acha capaz de alguma coisa. Quando há aprendizagem acontece mudança, transformação nos atos e atitudes do aprendiz. Essas mudanças envolvem pensamento, sentimentos e ações que se projetam na realidade social. Podemos identificar três maneiras de aprender:
- pelos aspectos cognitivos (idéias) Saber e Pensar
- pelas atitudes comportamentais - saber ser e sentir;
- Pelas habilidades (ações práticas) saber fazer e agir.
Estas aprendizagens possuem características especificas com funções de cada lado do cérebro, permitindo ao indivíduo e ao professor o desenvolvimento de uma quarta tendência de aprendizagem que venha a englobar todas num contexto da aprendizagem social, com a capacidade de desenvolver as relações sociais. Estas formas de aprendizagem implicam em saber ser, saber agir, com um resultado de aprendizagem social. Neste contexto se inclui os quatro pilares da educação;
Aprender a conhecer, aprender a ser; aprender a fazer. e aprender a conviver (em comum). O mesmo processo de aprendizagem na formação dos educadores leva a uma interação entre o trabalho do professor, cuja função é a de facilitar.
A aprendizagem precisa ser significativa para aquele que aprende e para que isto ocorra, é necessário que o professor relacione suas experiências com os conhecimentos dos alunos, formulando problemas e questões ligadas aos alunos, possibilitando a participação dos mesmos neste processo tão amplo. Segundo IBAIXE, 2008, p. 30 a aprendizagem tem que ser pessoal, pois ninguém aprende pelo outro, ter visão realista com objetivos que atinjam o processo educacional, tem que ter avaliação contínua e com feedback a fim de verificar se os objetivos de aprendizagem estão sendo atingidos. A aprendizagem também tem que promover relacionamento interpessoal e para que realmente ocorra uma aprendizagem com sucesso, precisa haver motivação da parte do professor. A aprendizagem desenvolvida pelo bom professor envolve utilização de metodologias e a utilização de técnicas, assim como a seleção de boas estratégias.
As estratégias são os meios que facilitam a aprendizagem dos alunos e os conduz em direção aos objetivos propostos. O termo estratégias relaciona-se a todas as ações ou atividades exercidas em sala de aula e inclui:
- metodologias;
- técnicas de ensino;
- técnicas pedagógicas;
- métodos
- recursos

2.5 - TÉCNICAS DE ENSINO

A aula expositiva consiste de forma verbalizada, sendo este um procedimento bastante antigo, mas que até hoje é muito utilizado em nossas escolas. O professor não está peocupado com o desenvolvimento do aluno, se preocupa mesmo é com exposição dos conteúdos. Mesmo utilizando desta técnica, o professor não deve se ater somente a exposição verbal, pois torna muito cansativo para o aluno passar a aula toda somente ouvindo, são tantas informações ao mesmo tempo que poderá se tornar confuso. É importante para o professor utilizar de alguns recurso que venha tornar sua aula mais atraente., pois pelo contrario sua técnica poderá ser considerada como a educação bancária, não surtindo muito efeito no processo aprendizagem.

A discussão responde a vários objetivos como:
- favorecer a reflexão acerca de conhecimentos de conhecimentos obtidos mediante leituras ou exposição;
- desenvolver novos conhecimentos mediante a utilização de conhecimentos e experiências anteriores;
- favorecer o enfoque de um assunto sobre diferentes ângulos;
- dar oportunidades aos alunos para formular princípios com suas próprias palavras e sugerir aplicações para esses princípios;
-ajudar aos a se tornar conscientizar dos problemas que aparecem na informação obtida a partir da leitura;
- facilitar a aceitação de informações ou teorias contrárias às crenças tradicionais ou idéias prévias. Esta estratégia é de um valor muito grande tanto para os professores quanto para os alunos, pois através dela podem ser expostas às idéias e informações que o aluno possui, torna desta forma uma liberdade e um ensino democrático, onde o aluno sente prazer em participar e aprende muito mais. Porém esta técnica é mais apropriada para o ensino superior.

- O seminário também é uma estratégia valorosa sendo um tipo de discussão e se trabalha em grupos e ao mesmo envolve até a pesquisa, cujo seu objetivo podem ser de:
- identificar problemas;
- reformular problemas sob ângulos diferentes;
- propor pesquisa para solucionar problemas;
- formular hipóteses de pesquisas.

- Grupo de verbalização e grupo de observação (GV/GO), com esta estratégia, desenvolve-se um trabalho que envolve toda a classe, quando um grupo faz as argumentações e o outro grupo observa.
Existem inúmeras estratégias que poderão ser utilizadas pelo professor para melhorar suas aulas e aprimorar a aprendizagem do aluno. Pode-se apresentar ainda a estratégia da:

- simulação é uma estratégia mais adequada para treinamentos e desenvolvimento de pessoal, pois se refere a tarefas correspondentes ao próprio cargo do treinando.

- estudo de caso é um trabalho apresentado sem qualquer interpretação, onde se inclui declarações das personagens envolvidas, organogramas, demonstrativos financeiros, copias ou trechos de relatórios ou simplesmente descrições verbais. Neste aspecto os alunos podem consultar as fontes que desejarem. As soluções apreciações ou criticas são apresentadas à classe em seguida discutidas e escolhem se as mais validas.

- A dramatização esta estratégia pode ser utilizada nas mais diversas disciplinas como em Línguas, Historia, Geografia e outras, sendo mais aconselhável no ensino superior, isto quando se deseja atingir objetivos no domínio afetivo.

- trabalho em grupo é importante pois indica uma interação entre duas ou mais pessoas que buscam atingir um objetivo comum, torna-se uma atividade muito rica que dá devidas possibilidades ao aluno de desenvolver suas capacidades de natureza cognitiva procedimental e atitudinal. Esta estratégia facilita a construção de conhecimentos do aluno, a troca de idéias e opiniões e a prática da cooperação para conseguir um fim comum.

2.6 - RECURSOS PEDAGÓGICOS

Para desenvolver as atividades pedagógicas, com uso de metodologias e aplicação de técnicas e estratégias, necessita-se do auxílio de recursos didáticos entre os quais deverão ser citados os recursos audiovisuais com suas modalidades. Tais recursos são bastante úteis e capazes de despertar a atenção dos alunos nos momento das aulas expositivas e mesmo de outras estratégias. Os recursos audiovisuais em sua modalidade podem ser apresentados das seguintes formas:

-recursos visuais auditivos: quadro-de-giz, flanelógrafo, imantógrafo, cartazes, mapas, flip chart, álbum seriado, diapositivos, diafilmes, transparências fotografias, mural didático, objetos, holografia;

- recursos auditivos: rádio, discos, fita magnética;

- recursos audiovisuais tradicionais: diapositivos com som, diafilmes com som, cinema sonoro, televisão, videocassete;

- recursos audiovisuais integrados ao computador: videodisco, data-show, projetor de multimídia.

3 – CONCLUSÃO

Ao concluir o estudo sobre metodologias de ensino, entende-se que para obtermos um bom resultado quanto a aprendizagem nas escolas, faz-se necessário haver uma busca com muita compreensão sobre o referido tema. Nos dias atuais tem-se observado grande desenvolvimento intelectual por parte dos alunos, portanto a equipe de profissionais da educação precisa acompanhar tal mudança, estarem informados de novas metodologias, sendo que a mesma envolve as estratégias, técnicas de ensino e os métodos a serem seguidos. Não esquecendo dos paradigmas que por sua vez orientam o desenvolvimento das práticas pedagógicas, apresentando-se como idéias bem definida, os mesmos garantem a coerência das propostas educacionais. Por fim todo e qualquer professor, tanto do nível superior como da educação básica, deve se munir das ferramentas teóricas e estabelecer pontos de referencia a fim de alcançarem os objetivos propostos em sua área de atuação pedagógica. Neste mesmo sentido o professor deve analisar as informações e teorias para construir conhecimentos sólidos que venham fundamentar suas praticas pedagógicas.



4 – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

- LIBÂNIO, J.C. Democratização da escola pública: a pedagogia crítico-social dos conteúdos. São Paulo: Loyola – 1990

- IBAIXE, Carmensita de Souza Bueno. Preparando aulas, São Paulo: Madras, 2008.

-PAIVA, José M.. O método pedagógico jesuítico: uma analise “Ratio Studiorun”. Minas Gerais: Imprensa Universitária da UFV, 1981.


SCHIMITT, RUBIA e RAMOS Paulo. A pesquisa Escolar na Construção do Conhecimento. Revista se Divulgação Técnico-Científica do ICOG. Vol. 3 n. 10/jan. jun – 1997 ISSN 18027-2836.

SOARES, Ferreira Liliane: Educação, paradigmas e tendências: por uma pratica educativa alicerçada na reflexão. OEI- Revista Iberoamericana de Educacion (ISSN: 1681-5653).

2 comentários:

  1. belo artigo! muito bom mesmo...

    Obrigado por compartilhar esse trabalho conosco.

    ResponderExcluir